McPlastic? No, thanks.

Há cerca de duas semanas, estava em viagem com uns amigos, e quiseram parar no McDonald’s… Torci o nariz, opá não gosto, não gosto mesmo! Eles representam tudo o que está de errado com a alimentação moderna. Mas… uma coisa que este estilo de vida que levo me ensinou, foi a adaptar-me com rapidez à realidade que me é apresentada. Era uma viagem longa, já era tarde, não havia grandes alternativas. Hesitei, claro, mas lá acabei por dizer para me trazerem um McFish. Assim que abri a caixinha soltei um sorriso irônico, não é mesmo por acaso que lhe chamam comida de plástico! Parece feito de plástico! Sabem aquelas cozinhas de brincar das crianças, que vêm com vários alimentos em miniatura, parecia isso, mas em tamanho real. A experiência não durou muito mais tempo, dei uma dentada, seguida de outra e desisti. Naaaaaaaaa! Isto não é comida! Prefiro o jejum.

Com esta história lembrei-me de alguns vídeos que vi no YouTube, de experiências com hambúrgueres do McDonald’s, em que deixam os hambúrgueres meses e meses, dentro de frascos ou simplesmente ao ar livre e, ao contrário da comida verdadeira, estes não apodrecem, não ganham bolor, não nada! Mantém-se intactos, é que nem os bichos lhes tocam!

Lembrámos-nos de fazer a mesma experiência e, na realidade, o resultado não me surpreendeu minimamente. Veio apenas confirmar as suspeitas, apresento-vos este McFish, tem 2 semaninhas de vida, eu desconfio que é imortal. E tem estado assim ao ar livre, numa casa de campo, mas as formigas ainda não deram por ele, e ao que consta nem as moscas lá pousam, coisa estranha. Mas que bonito que ele está, fofinho, tão fresquinho, apetecível até, não acham?

Is this real food?!

A questão é: que ingredientes é que isto leva para ficar assim?!?! O que é que estamos a por dentro do nosso organismo, e que consequências terá na nossa saúde? Não pode ser coisa boa.

Aconselho a verem este documentário: Super Size Me, ajuda-nos a perceber os impactos reais desta comida, que de comida… tem muito pouco. O nosso corpo é a melhor ferramenta que alguma vez teremos nesta vida, vamos cuidá-lo e nutri-lo como ele merece, com comida de verdade, boa?! ;)

Sopa de Legumes Doces com Massinhas

A avó São é garantidamente a fã número 1 das minhas sopas! Este fim-de-semana vieram uns amigos deles de visita e então pediu-me se lhe fazia um panelão daqueles “Que são uma categoria as tuas sopas Tucha!”. :)

Eu, que adoro fazer sopas, pus mãos à obra e preparei uma super sopa, bem rica, com muita hortaliça, que é a única maneira de pôr o meu avô a comer legumes, faz com cada fita, ui! Mas eu sou mais teimosa que ele e arranjo sempre forma de lhe dar a volta… uns bons raminhos de hortelã, como ele gosta e quase que se esquece das couves! E assim foi! Temos sopa para a semana toda, a receita dá para cerca de 20 doses, espero que gostem! ;)

SOPA DE LEGUMES DOCES COM MASSINHAS

INGREDIENTES:

  • 8 fatias grossas de abóbora hokkaido (1/2 abóbora)
  • 2 cebolas grandes
  • 3 cenouras
  • 1 couve coração
  • 1 nabo (não muito grande)
  • 2 tiras de alga kombu (para enriquecer a sopa em minerais e vitaminas, se não gosta de algas não se preocupe, não dá sabor nenhum à sopa)
  • 1 caneca de chá de massinhas de letras e/ou esparguete integral partido
  • 2 dentes de alho
  • azeite qb.
  • sal marinho integral qb.
  • 4 pés de hortelã – opcional, mas devia ser obrigatório, que fica uma delícia! ;)

PREPARAÇÃO:

  1. Cortar 1/2 couve-coração em tiras de 2 a 3 cm e escaldar em água abundante (sem sal) durante 6 min. Reservar a couve. Guarde a água fervida para acrescentar à sopa.
  2. Cozer as massinhas com um pouco de sal e reservar.
  3. Numa panela grande juntar: a abóbora, o nabo, 1/2 couve-coração, as cebolas cortadas em pedaços iguais, as cenouras em pedaços mais pequenos (demoram mais a cozinhar) e a alga kombu. Junte a água fervida e adicione mais (se, necessário) até cobrir por completo os vegetais. Leve ao lume durante 25/30 min.
  4. Desligue o lume e tempere com sal e azeite, passe bem com a varinha mágica, até obter um creme sedoso, se estiver demasiado espessa acrescente um pouco de água fervida.
  5. Adicione 2 dentes de alho ralados (ralador mais fino), uns raminhos de hortelã a gosto, as couves escaldadas e as massinhas previamente cozinhadas.
  6. Deixe repousar durante cerca de 10 min. para o alho cozinhar e a hortelã apurar.

NOTAS:

Pode adicionar feijões ou lentilhas para uma sopa mais rica, ou substituir as massinhas por bagos de arroz integral. E não se esqueça, essencial, mantenha uma atitude bem disposta e positiva enquanto cozinha, é esse um dos melhores temperos que conheço! ;)

Bom Apetite ♡

Salteado de Arroz Integral com Tofu no Wok

Isto é caso para dizer… xiiii, foi dar uma ganda volta, pois foi! :) Passou-se mais um Verão daqueles, sempre a fazer km., com direito a tudo e mais qualquer coisinha, feito de sorrisos e gargalhadas, lágrimas e abraços, danças e sonhos, encontros, desencontros e alguns reencontros. Foi assim como eu gosto, sem datas marcadas, a fluir… pelos caminhos de Portugal.

Aqui fica uma receita que me enche os sentidos, simples e apetitosa! A dose que vêem no wok dá para 2 boas doses, quase 3… eu comi tudo, sozinha, à hora de almoço! Pois é, Varatojo que é Varatojo não passa fome não, somos todos assim lá em casa… :)

Nunca cozinho menos do que 1kg de arroz integral, facto é que também costumo cozinhar para um número considerável de pessoas, mas ainda assim o arroz chega a aguentar 5 dias no frigorífico sem fermentar e é muito prático tê-lo já feito para adicionar em sopas, croquetes, saladas, pão, etc., hoje foi neste salteado. Espero que vos saiba tão bem, como me soube a mim! ;)

SALTEADO DE ARROZ INTEGRAL COM TOFU NO WOK

INGREDIENTES:

  • 1 taça generosa de arroz integral previamente cozinhado – receita aqui
  • 250g de tofu fumado (ou tofu normal, mas marinar primeiro em shoyu e alho)
  • 1 cebola média/grande
  • 1 cenoura grande
  • 2 a 3 rodelas finas de gengibre
  • 2 dentes de alho – esmagar os dentes de alho com o cabo da faca
  • azeite qb.
  • shoyu qb. (molho de soja bio, sem açúcar)
  • sal marinho integral qb.
  • sementes de sésamo ou gomásio

PREPARAÇÃO:

  1. Num wok, em lume alto, aquecer o alho e o gengibre, muito picadinho, em azeite durante alguns segundos, mexendo sempre.
  2. Adicionar a cebola cortada em meias luas, a cenoura cortada em diagonais finas, e pitada de sal marinho. Saltear até a cebola ficar translúcida, temperar com umas gotas de shoyu (molho de soja).
  3. Junte o tofu cortado em cubos pequenos e envolva bem nos legumes, suavemente para que o tofu não se desfaça todo. Saltear durante alguns minutos até o tofu começar a ficar dourado, mexendo sempre.
  4. Adicione o arroz integral, já cozinhado, e envolva bem com os restantes ingredientes. Salteie durante cerca de 5/6 minutos (se o arroz estiver muito seco de estar no frigorífico adicione um pouco de água para ele se soltar).
  5. Prove e, se necessário, tempere com mais umas gotas de shoyu. Sirva com gomásio ou sementes de sésamo tostadas.

NOTAS:

Pode adicionar ervas frescas a gosto, no meu caso, nem hesitaria, era coentros a montes, mas não tinha em casa. Acompanha com uma boa salada verde. Bom Apetite! ;)

O melhor trabalho do mundo… e um até já, que vou de férias!

Daqui a umas horas entro de férias,  e quem  acabou de ver as fotos pergunta, mas então e isto era o quê, não eram férias?  Não, mas quase! :)

Estas últimas duas semanas tenho estado numa herdade no Alentejo a cozinhar para uma família, que é como se fosse um bocadinho minha também. Foi com a E. que a minha aventura culinária começou há 5 anos atrás, apareceu na minha vida assim em forma de surpresa boa, numa altura em que estava sem trabalho e com a renda de casa para pagar… ok, não estava a pensar nisso, mas vou contar a história de como virei cozinheira! :)

Janeiro de 2009, despedi-me do meu trabalho e tinha 2 semanas para arranjar alguma coisa. Decidi tirar dois dias para meditar sobre o assunto e fui ter com uma grande amiga, a R., que estava a viver na Raposeira, uma pequena aldeia, perto de Sagres, no Algarve.

Bem cedo pela manhã sentei-me e comecei o meu exercício de visualização… o que é que eu me imagino a fazer? O que é que quero…? A primeira imagem que me veio foi uma cozinha, um ambiente familiar e eu a cozinhar contente e a cantarolar. Logo de seguida lembrei-me que por vezes vão ao Instituto pessoas há procura de professoras de culinária ao domicílio. Liguei à minha mãe, contei-lhe e ela disse-me, ok, estou aqui a pensar numa pessoa, mas acho que não é por aqui, dá-me umas horas para pensar no assunto que já te digo qualquer coisa.

Passaram duas horas e ela liga-me de volta: Martinha esteve cá a E., uma cliente nossa muito querida, falei-lhe em ti e ela está interessada, vai ligar-te à tarde.

Na semana seguinte estava a trabalhar em casa da E., numa cozinha absolutamente fantástica, bons materiais e utensílios, despensa recheada com os melhores ingredientes e frigorifico cheio de  vegetais biológicos, um autêntico atelier criativo para mim que adoro inventar receitas! Para melhorar todo este cenário, temos a E., uma mulher maravilhosa e inspiradora, que puxa por mim, me dá liberdade para criar sem limites e…. me faz sentir como se fosse da família. :) Foi e é um dos encontros mais felizes da minha vida!

E passaram 5 anos desde então, muita coisa aconteceu, muita água rolou, sou cozinheira agora, sim cozinheira e não chef, que eu continuo a gostar da coisa bem informal e familiar, sou uma cozinheira, assumida, concretizada, feliz e grata, muito grata, muito, muito, muito grata!!

É verdade, daqui a umas horas entro de férias… e apetece, claro que sim, tem sido um ano intenso, mas sabem que mais, já estou com saudades deste trabalho, da vida no campo e das pessoas lindas que conheci aqui. Daqui de onde vos escrevo, da minha cabaninha de madeira na areia, vejo a Horta mesmo à minha frente… vou lá agora, buscar coisas boas para o almoço, que está mesmo na hora, na hora de ir praticar a magia!

Desejo-vos um óptimo Verão, bem pertinho da família e dos amigos, com muita comidinha boa, um Verão cheinho de sol, e mar, e florestas, e ar puro, breathe in and out… deeply… aproveitem para ir para a Natureza e visualizem tudo aquilo que desejam ver na vossa vida, resultou comigo e continua a dar frutos! ;)

pLim * fui * até já

m *

Salada de Couscous com Beterraba e Manjericão

Esta é uma daquelas receitas perfeitas para o Verão, leve e super rápida de fazer! Fiz para um picnic na praia e acompanhei com húmus, guacamole, tostas de milho com orégãos e uma salada de rúcula e hortelã, yumiii! Foi um almoço bem passado, em frente ao mar, com amigos e um sol dourado, ai como eu adoro o Verão! :)

SALADA DE COUSCOUS COM BETERRABA E MANJERICÃO 

INGREDIENTES:

  • 1 copo de couscous de milho (não tem glúten) – 4 pessoas
  • 1 cebola roxa
  • 1 dente de alho
  • 1/2 beterraba
  • 2 a 3 pés de manjericão
  • 1 taça de tomates cherry
  • azeite qb.
  • shoyu qb. (molho de soja bio, sem açúcar)
  • sal qb.

PREPARAÇÃO:

  1. Para 1 medida de couscous use 1 igual de água, assim que começar ponha um tacho com a água ao lume.
  2. Noutro tacho refogue em azeite a cebola cortada picadinha e o alho ralado, até a cebola ficar translúcida, tempere com umas gotas de shoyu (molho de soja).
  3. Adicione o couscous e envolva bem na cebola, tempere com um pouco de sal.
  4. Desligue o lume e adicione a água a ferver (Para 1 medida de couscous usa-se 1 igual de água.), feche imediatamente a tampa do tacho e deixe repousar durante 10/15 min. sem destapar.
  5. Rale a beterraba no ralador mais fino, pique muito bem o manjericão e corte os tomates em quartos.
  6. Numa taça misture o couscous com a beterraba, o manjericão e os tomates cherry, tempere com um pouco de azeite e shoyu e decore com folhas de manjericão.

NOTAS:

Pode usar qualquer outra erva fresca a gosto, pode também adicionar cogumelos salteados, para uma salada mais rica.

Ao mau tempo, boa cara

no need to hurry

No principio do ano tiro uma carta para cada mês, é um ritual que tenho já há uns anos e que vou manter, nesta e nas próximas vidas. Quando tenho uma situação que precisa de solução vou ver as mensagens desse mês para me darem umas luzes… não falha!

A deste mês confirmou-me o que já sentia, há que olhar para os contratempos como bençãos disfarçadas, a vida fica mais fácil, muito mais fácil.

Segue-se a mensagem, pois desconfio que pode ser útil para ti também ;)

Alegria – Entusiasmo

“Levantas-te disposto a passar um dia na praia e de repente a chuva, os trovões e o frio fazem-te mudar de planos e isso transtorna-te, confunde-te e aborrece-te. Se não solucionares esta situação podes acabar o dia com um balanço bastante negativo e terrível, cheio de confusão e de perda de energia. Se, pelo contrário, vês chover e aceitas rapidamente a situação sem te aborreceres, compreenderás em seguida o benefício que isto traz para a natureza e para todos os seres vivos, incluindo tu próprio, e certamente recordarás uma série de coisas por fazer.

Qualquer situação de impedimento aceita com Alegria e Entusiasmo ajudar-te-á a Crescer.

Reflexões

Quando a tua energia escolhe esta carta como guia ou resposta a qualquer pergunta, não duvides em fazer um esforço. O refrão que diz “ao mau tempo boa cara” resume-o muito bem. Ânimo, as dificuldades, impedimentos, entraves, não são mais do que a expressão de que ainda não chegou o momento adequado, de que não te convém tal coisa. Ainda tens algo para aprender e as situações vão-se repetindo até te decidires a entendê-las.

Um obstáculo requer que lhe prestes atenção e não que te afundes nele. Exige-te atenção e com ela também virá alguma reflexão. Se assumires uma postura pessimista e derrotista, dificilmente serás ajudado pela intuição ou, se ela vier, não a saberás escutar. Se a tua postura for aberta, mesmo que não seja alegre, poderás ver alguma coisa ou pelo menos aceitar a situação sem dar um passo desastroso. Pelo contrário, se a atitude for positiva, relaxada e alegre, a situação mudará de imediato e recordarás: Vou ter tempo de ver os meus amigos, poderei telefonar ou escrever a… dedicarei o dia a descansar e organizar. De certeza que assim farás o que está correcto e mais tarde verás como esta mudança flexível foi a chave necessária para resolver alguma situação que ainda não tinha solução. “

no livro Dia-a-dia com os Anjos, de Marta Cabeza, Ed. Pergaminho.

Wrap de Tofu Fumado com Pickles de Couve-Roxa

wrap de tofu

wrap de tofu

wrap de tofu

O Verão aproxima-se e este é mesmo o tipo de snacks que adoro! Olho para isto e imagino-me logo a fazer um piquenique na praia, assim com um copo de sumo de melancia numa mão, um wrap na outra, e claro uns quantos bons amigos para partilhar o momento!

WRAP DE TOFU FUMADO COM PICKLES DE COUVE-ROXA 

INGREDIENTES:

  • wrap biológico
  • 250g de tofu fumado
  • rúcula qb.
  • pickles de couve-roxa (receita abaixo)
  • maionese vegan caseira
  • azeite qb.
  • shoyu qb.
  • 2 dentes de alho

PREPARAÇÃO:

  1. Corte o tofu em fatias muito finas e frite em azeite, alho e shoyu, cerca de 3 minutos de cada lado, até ficar douradinho.
  2. Barre o wrap com a maionese, disponha a rúcula, os pickles de couve-roxa e o tofu fumado. Enrole o wrap e delicie-se! :)

PICKLES DE COUVE-ROXA 

INGREDIENTES:

  • 1/4 de couve-roxa
  • 2 csp. de vinagre de ameixa
  • 1 csp. de vinagre de arroz
  • 1c. de sobremesa de sal marinho

PREPARAÇÃO:

  1. Corte a couve-roxa muito fina e tempere com sal, vinagre de ameixa e vinagre de arroz, amasse bem com as mãos, até a couve começar a perder água e ficar quebradiça.
  2. Disponha num frasco de vidro, e cubra com água, a água tem que ficar com um sabor salgado para possibilitar a fermentação e para a couve não apodrecer, prove e, se necessário, acrescente mais sal. Feche o frasco e guarde num lugar escuro de um dia para o outro.
  3. Quanto mais tempo ficar fechado mais fermenta e mais rico em enzimas irá ficar, pode deixar o frasco fechado durante 1 semana. Assim que aberto guarde no frigorífico.

OBSERVAÇÕES:

Pode fazer esta receita com seitan, ou tempeh, e para quem vive em Lisboa recomendo vivamente o tempeh do Salvatore.