PLANTAS TERAPÊUTICAS

por Francisco Varatojo

Actualmente, procura-se cada vez mais tratar os problemas de saúde através de métodos naturais e convém talvez lembrar que os fármacos modernos se desenvolveram após um estudo aturado dos efeitos medicinais das plantas, plantas essas que muitas vezes eram utilizadas de uma forma empírica na medicina tradicional.

Muitos médicos modernos, preocupados com os efeitos colaterais dos medicamentos procuram estudar as plantas e prescrever tratamentos mais doces; há no entanto situações em que as drogas químicas são essenciais e este artigo não deve de forma alguma substituir uma consulta com o seu médico assistente.

Se no entanto, utilizar regularmente os alimentos e preparações abaixo enunciados, em combinação com uma alimentação adequada, pode provavelmente adquirir uma melhor saúde e evitar ou tratar muitos problemas comuns.

Cenouras: são um dos vegetais mais ricos e saborosos de que dispomos – as cenouras são antidiarreicas, remineralizantes e diuréticas.

Ajudam a melhorar a visão, uma vez que possuem uma grande quantidade de caroteno (ou provitamina A) que desempenha funções essenciais no mecanismo da visão.

Para além disso, ajudam a combater casos de anemia, infecções de bexiga e de cálculos renais ou biliares; acalmam também as dores de estômago e o excesso de acidez estomacal.

A cenoura pode ser utilizada em pratos de vegetais, sopas, crua (neste caso, é mais digerível se for ralada), em sumos ou em chás.

Agrião: estimula o apetite, activa o metabolismo; favorece a expectoração e descongestiona o aparelho respiratório.

Na Medicina Chinesa o agrião era considerado com um excelente tónico para o fígado e pulmões.

É preferível consumi-lo levemente cozinhado (1/2 a 1 minuto) do que cru, em particular se o agrião não for de origem biológica (cultivado sem produtos químicos).

Rabanete: não sendo dos alimentos mais fáceis de consumir pelas crianças, devido ao seu sabor forte, o rabanete é no entanto um excelente descongestionante do fígado e da vesícula; para além disso é um vegetal valioso no caso de afecções respiratórias e particularmente benéfico no tratamento da sinusite.

Pode utilizá-lo ralado (óptimo para ajudar a dissolver gordura e portanto aconselhado em conjunto com alimentos mais oleosos como fritos) ou cozinhado. De manhã, em jejum, desintoxica e descongestiona o fígado.

Cebolas: as cebolas cozinhadas são muito boas para acalmar o sistema nervoso (em casos de nervosismo, irritabilidade, etc.); ajudam também a aliviar as dores musculares, sendo portanto apropriadas para pessoas que desenvolvem um trabalho físico intenso.

O chá preparado a partir das cascas de cebola fervidas é excelente para tosses, particularmente em crianças.

Couve lombarda: Quando levemente escaldada é um óptimo tónico para abrir o apetite.

Tem também acções benéficas sobre o estômago e pâncreas, sendo particularmente indicada para casos de diabetes ou hipoglicemia.

Os vegetais até agora mencionados, podem e devem ser utilizados no dia a dia, preparados de muitas formas diferentes (cozidos, em sopas, em saladas, como temperos de outros pratos, etc.); mencionarei de seguida uma série de preparações específicas – pratos especiais, chás, condimentos – que se devidamente confeccionadas têm efeitos terapêuticos consideráveis.

Estas preparações têm como ingredientes base cereais integrais, vegetais, feijões e outros alimentos, que têm consistido na base da alimentação humana durante séculos e que, portanto, devem de qualquer forma ser consumidos regularmente como parte de uma alimentação mais saudável.

Creme de Arroz Integral Especial: para crianças doentes; para pessoas muito cansadas; para aumentar o apetite, ou como alimento principal em crianças ou adultos que não conseguem ingerir alimentos sólidos.

No Oriente, este creme de arroz é considerado um remédio universal que deve ser utilizado em todas as situações em que as pessoas se sintam muito debilitadas.

Preparação:

Toste (sem óleo) 1 chávena de arroz integral numa frigideira de aço inox até que este fique com uma cor dourada. Coloque este arroz numa panela, adicione 7 a 10 chávenas de água e deixe levantar fervura. Tape, baixe a chama e deixe ferver em chama baixa durante 3 a 4 horas. (Se utilizar uma panela de pressão, use cerca de 5 chávenas de água e ferva e cozinhe durante 2 horas).

Deixe que esta preparação arrefeça e depois coe-a através de uma gaze ou uma fralda, de forma a obter cerca de 3 a 3 ½ chávenas de um creme espesso. Adicione sal (não no caso de bebés), volte a aquecer e sirva quente.

Bebidas à base de Kuzu: o kuzu é o amido de uma raiz, que pode adquirir em boas casas de produtos naturais.

O nome técnico desta planta é “Pueraria lobata, Pueraria hirsuta) e é originária do sul da América e das montanhas do Japão. As suas propriedades medicinais são estudadas há séculos e entre elas contam-se as seguintes:

1. O kuzu fortalece e regula a digestão; digere-se facilmente e é rapidamente absorvido pelos intestinos.
2. O pó de kuzu é um amido muito concentrado, que contém mais calorias do que o mel, para a mesma unidade de peso.

Indicações:

O kuzu é especialmente eficaz nos seguintes casos:

* Cansaço geral: o kuzu alivia o cansaço e aumenta a vitalidade.

* Problemas intestinais agudos : especialmente diarreia, incluindo diarreia provocada por cólera ou disenteria.

* Fraqueza intestinal crónica, ou doenças intestinais crónicas como colite ou tuberculose intestinal

* Constipações e gripes

* Febres

* Ajuda a cicatrizar úlceras no estômago, duodeno ou intestinos.

* É bom para pessoas que não conseguem ingerir alimentos sólidos

Creme de Kuzu – Para diarreias ou fraqueza intestinal; como revitalizante; para constipações

Preparação: Dissolva uma colher de chá rasa de kuzu num pouco de água fria. Junte a uma chávena de água fria e deixe levantar fervura enquanto mexe constantemente. Adicione uma pitada de sal ou um pouco de molho de soja shoyu.

Kuzu com Sumo de Maçã – para estimular o apetite; para baixar a febre; para acalmar; torna as fezes mais macias.

Preparação: Adicione ½ chávena de água a ½ chávena de sumo de maçã. Ferva lentamente com 1 colher de chá de pó de kuzu, até que o líquido engrosse.
Bibliografia:

“A Saúde pelas Plantas Medicinais” – Enciclopédia de Educação e Saúde

Macrobiotic Home Remedies, Michio Kushi, Japan Publications

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s