The Happy Janssens!

Tive conhecimento desta família esta semana através da July, a minha grande amiga que já está com um barrigão enorme, lindo! Ela anda a fazer uma investigação sobre tudo o que envolva partos naturais e descobriu um vídeo desta família, é um slide show de fotografias… simplesmente maravilhoso. Consegui envolver-me com a magia do nascimento da pequena Lucy de tal forma que até chorei.. pudessem todos os bebés ter a oportunidade de nascer assim.

clique aqui para ver

Para além  de partos naturais esta família tem muitas mais coisas interessantes para contar, estão neste momento a viver uma road trip pelos EUA numa caravana alimentada a óleo vegetal… visitem o site deles e digam-me se também não ficam encantados como eu fiquei! Eu quero viver assim… Happy!  www.happyjanssens.com

Anúncios

Festa do Sushi

Este é sim um presente original, o João, filho da Maria, faz 14 anos e ela ofereceu-lhe uma aula de sushi, a ele e ao seu grupo de amigos.

Foi uma uma aventura recheada de saborosos ingredientes. Os meus 13 alunos adolescentes foram fantásticos, muito organizados, cada um fez o seu rolo de salmão com muita genica e entusiasmo e ficaram perfeitos! Só sei que, dos 240 sushis que foram feitos, não sobrou nem um para a mãe do João provar! Mas também não os condeno, depois de tanto trabalho fizeram o que tinham a fazer, devorar um por um, até ao fim! E que delícia que estavam!

A Festa do Sushi foi uma aventura feliz!

Parabéns João, que festão!! 🙂

summertime & the living is easy

Words

Como Verão é Verão e eu já não tinha um livre há dois anos, este ano a vida reservou-me uns belos dias tranquilos em terras de Portugal, entre praia e campo cá ando de olho curioso a observar as férias dos outros e a deliciar-me com as minhas… quais hotéis, quais praias paradisíacas, estamos os 4 juntos, coisa que há muitos anos não acontecia, com os meus Avós na bela da Praia da Vieira, que muitas histórias conta e continua a dar que falar, o meu irmão que o diga.

Estamos bem e de boa saúde, a lembrar-nos da nossa adolescência e a viver a do Kiko, o nosso adolescente, é o Varatojo, assim mesmo de voz grossa e já com o sotaque cá da praia,  já tem a carta de condução e tem a sua vidinha, é o meu irmão mais novo.

Com os avós comemos, porque para a São nunca é demais, e o tacho tem que ficar rapado, são os eventos diários, as refeições caseiras e deliciosas da Avó, muito peixinho fresquinho e muita salada, e a fruta, que são logo 3 pêssegos de cada vez, antes que apodreçam diz ela, que nesta casa não há desperdícios, e depois não acredita que cada vez que saímos daqui levamos mais 5 Kg agregados, mas férias, são férias e a mimos nunca se diz que não!

Com o Avô temos conversas sobre a vida, sobre as cusquices das amigas da avó, para as quais ele não tem muita paciência, e não é para as cusquices, é para as amigas, que são umas chatas! O Avô António é cool, está sempre na dele, tá-se bem, de poucas palavras, mas bem ditas, com um sorriso e meio na cara, com ele podemos falar de tudo, que ele não vai nunca sair da adolescência, quantas mais “asneiras” fizermos mais ele se diverte, que o avô não é de meter o “bedelho” pra chatear, ele quer é que não o chateiem e nós obedecemos, sem esforço nenhum.

As manas as 3 juntas, é bonito de se ver, uma loura, outra ruiva e mais uma morena, qual delas a mais palrante, de estendal montado no quarto, cá vamos debitando relatos sobre vidas, experiências, namorados, biquínis, amigas, sonhos, projectos e depilações, é que quando o tema é praia este último tópico invariavelmente vem à baila, afins e afins, assunto nunca nos falta.

Temos sempre a ajuda da Joana por perto, a irmã do meio, para não relaxar demais, é que a coisa tem que estar minimamente organizada, cada uma com duas gavetas, levantar a horas para fazer as sandes e uns quantos programas já com hora marcada, certinho e direitinho, é a Joana, o que seria de nós sem ela, é bom termos uma bússola por perto, é a nossa estrela, que nos orienta e guia.

A Sofia, a mais novinha.. é easy! Sempre foi, sempre será, só o namorado lhe conhece as consequências do perfeito narizinho arrebitado, entre nós é uma paz. Seja onde for que vamos com ela está-se sempre bem, pronta para se desviar do seu percurso só para te fazer companhia, sempre pronta a dar um pouco mais, nós agradecemos.

Eu cá ando, com as minhas manias, a quem já toda a gente se habituou, o que torna tudo muito mais fácil. Bom, e só vinha aqui dizer que estou de férias, mas acabei com um relato muito mais pormenorizado do que tinha planeado, ficam assim a conhecer um pouco mais da Família Varatojo.. ah! E ia-me esquecendo do Ginja, o meu gato que adoptou os meus avós e que nos anima com as suas entradas e saídas repentinas dos seus longos passeios, é que até o gato tem uma vida… ou serão 7?

Uns a crescer e outros, que parecem não mudar, e eu bem perto disto tudo, quero ver acontecer isto que está acontecer, umas férias em família, à antiga! É tradição e há tradições que são para manter. ♥

Boas Férias

companhia olho vivo

Hoje a companhia Olho Vivo foi à rua, de olho bem aberto e de uniforme, para a sua performance activista, por um planeta verde!

Inseridos no tema Ambiente invadimos o bairro e não passámos despercebidos, entre hinos, qual deles o mais estridente (estou meia rouca) e as fatiotas tricolores, amarelo, verde e azul, os nossos mini ecopontos foram um sucesso.

E é engraçado ver que refilam por muita coisa… e há tantas coisas que são uma “seca”…

m:…come a sopa Tiago!

T: xiiiii, não… que seca!!

m: …Erica vai lavar o copo do iogurte para separar no ecoponto amarelo, está bem?

e: Sim! (passados 20 seg.).. morango (para eles sou a morango, adoro!) já lavei, assim tá bom? Já posso por no ecoponto?

Está óptimo!! Respondo eu com um sorriso de orelha  a orelha, ainda meia espantada.. mas não fez birra pergunto-me? humm, estranho, estranhamente bom!

E sabem o que eu confirmo? Os miúdos adoram sentir-se úteis, basta usar um pouco de criatividade que eles aceitam bem qualquer tarefa e divertem-se, ah pois sim!

Impressionante como eles reagem bem à ideia de Reduzir, Reciclar e Reutilizar. Querem fazer bem e nem precisam fazer muitas perguntas, soa-lhes natural esta ideia, que bom!

Estes são os nossos mini ecopontos, os meus ecopontos preferidos! ♥

Adoçantes Naturais: Alternativas ao Açúcar Branco

Tendo sido criada com base numa alimentação macrobiótica, fiquei com uma sensibilidade aos alimentos muito apurada, não é melhor nem pior, é especialmente sensível.

Lembro-me que ficava meio aborrecida na altura da adolescência, tinha mais constipações que os meus amigos e não percebia porquê, porque apesar de comer um croissant aqui e ali, algumas batatas fritas e uns gelados de vez em quando, a minha alimentação era, de longe, bem mais saudável que a da maioria das pessoas da minha idade.

À chegada dos primeiros sintomas febris a pergunta cá em casa era… “o que é que andaste a comer Marta?”. Esta pergunta irritava-me por vezes, confesso, mas eu sabia bem a resposta ao meu problema, sabia que andava a comer umas coisas por fora e o meu corpo, por estar tão bem habituado, respondia logo, descarregava imediatamente as “porcarias” que eu tinha enfiado para dentro. A asneira mais comum era (e creio ainda ser) o açúcar.

A “cura” eram dois ou três dias seguidos em casa, a comer muito pouco, com uns kuzus, umeboshis, sopa de miso, creme de arroz e pouco mais, sem necessidade de comprimidos ou hospitais, era o tempo suficiente para limpar o organismo. O meu corpo nunca deixou que as “porcarias” se acumulassem e provocassem doenças mais sérias. Comia mal, ficava doente e assim fui aprendendo com a experiência, o que é que me alimenta de corpo e alma, e com 29 anos, nunca precisei de ir ao hospital, isto por si só, já diz alguma coisa, não acham?

As crianças ingerem quantidades de açúcar absurdas hoje em dia, este facto transtorna-me. Pergunto-me se será por total falta de consciência dos pais, ou total desleixe, porque é tão mais rápido e barato comprar um bolicao e um leite com chocolate, ou um geladinho, para os calar da berraria causada pelo pastel de nata que comeram uma hora antes. É mesmo importante mudar isto, estamos a falar da saúde física e psicológica de um corpo em crescimento.

O açúcar de doce só tem o sabor, o seu reverso é bem amargo, entre os sintomas mais comuns podemos realçar estes: Dor Abdominal, Dor Artrítica, Fadiga Crónica, Depressão, Diarreias, Tonturas, Fome ou Sede Excessivas, Dores de Cabeça, Enxaquecas, Palpitações Cardíacas, Urticária, Incapacidade de Concentração, Impotência, Dores Articulares, Mudanças de Personalidade, Perda de Memória, Problemas Menstruais, Adormecimento das Extremidades, Ataques de Pânico, Fobias, Convulsões, Zumbido nos Ouvidos, Perda de Visão, Aumento de Peso.

Aqui fica um excerto de um artigo escrito pelo meu pai, uma pessoa com muita sabedoria no assunto.

“Se o açúcar é extremamente prejudicial para a saúde é ainda assim melhor (difícil de acreditar, não é?) do que os adoçantes sintéticos disponíveis no mercado. Existem muitos estudos que ligam estes produtos a problemas como o cancro da bexiga, esclerose múltipla, Alzheimer e muitos outros.

E agora, que fazer? O açúcar é prejudicial, os adoçantes são piores, será que não podemos gozar a doçura, especialmente quando a vida nalguns casos tem um sabor tão amargo?
A resposta é sim; existem muitas alternativas doces no mercado actual; em primeiro lugar, se reduzirmos o consumo de produtos animais (particularmente carne) e começarmos a comer no dia a dia hidratos de carbono complexos (presentes nos cereais, vegetais, feijões), deixamos de ter desejo por alimentos muito doces; segundo, há um bom número de opções no que toca a adoçantes naturais, que passo a citar:

Mel ou Malte de Arroz – Este xarope equilibrado, com um grande teor de maltose e de hidratos de carbono complexos, é absorvido de uma forma lenta e gradual na corrente sanguínea; tem uma doçura subtil e um sabor rico. Este xarope utiliza cevada germinada para criar um adoçante equilibrado, cujo segredo está na fermentação enzimática.

Malte de Cevada – Este adoçante é semelhante ao malte de arroz, mas o arroz é substituído por cevada e a cevada germinada transforma os amidos do cereal num adoçante complexo que é digerido gradualmente.

Fruta – Purés de fruta, manteigas ou pastas de fruta seca ou cozinhada são adoçantes excelentes uma vez que contêm menos água, o que concentra o sabor e conteúdo natural do açúcar.

Amasake – Um adoçante tradicional no Oriente, produzido a partir de diferentes cereais, geralmente arroz integral; tem uma consistência espessa e a textura de um pudim.

Os adoçantes acima mencionados, são na minha opinião os mais saudáveis e que, consequentemente devem ser utilizados com mais regularidade.

Espero que todas estas alternativas lhe agradem; não esqueça porém, que a melhor forma de obtermos doçura na vida é através de actividades que nos dêem prazer, relacionamentos (de amizade ou românticos) gratificantes e um estilo de vida em que equilibramos actividades profissionais com outras mais relaxantes.”

por Francisco Varatojo