. 6 sentidos .

Visão – o céu e os pássaros, com nuvens, sem nuvens, de noite ou de dia.. deitem-se na relva num jardim, na praia, ou simplesmente a passear ao ar livre, parem uns segundos, olhem para o céu e contemplem a imensidão azul, faz-me sentir tão bem.

Olfacto – o aroma das sementes de sésamo a serem tostadas… hum… enche a cozinha!

Tacto – as festinhas no pelo macio do Ginger, o meu gato.

Audição – a tocar agora, o grande Frank Sinatra – Fly me to the moon…

Paladar – as receitas do último livro da minha mãe..  Tudo o que Comemos Conta, que delícia de livro.

Sonhar (acordada) – que saio de casa e tenho a praia à minha frente, e vou por aí… a passear num por do sol quente e aconchegante.

Anúncios

Ame-Kuzu | Calmante Natural

l1250200

Eis um remédio caseiro, que para além de fazer muito bem, é especialmente saboroso, fantástico para aqueles dias que estamos muito agitados e com dificuldade em adormecer. É raro ter dores menstruais, mas quando tenho é porque ingeri muita proteína animal, peixe normalmente, nos dias anteriores à menstruação. Tomo este remédio caseiro e em pouco tempo fico bem.

INDICAÇÕES:

Relaxamento do corpo e da mente, particularmente indicado para pessoas com uma condição muito  yang (contraída e tensa), frequentemente causada pela ingestão excessiva da combinação de sal refinado e produtos animais, ou ainda resultante de uma vida muito agitada. Uma das primeiras indicações do ame-kuzu é a hipoglicemia, uma condição bastante yang, caracterizada pela persistência de níveis baixos de açúcar no sangue, no qual o pâncreas se encontra tenso e que está associada principalmente ao hábito de comer produtos animais mas também alimentos muito secos, como sejam batatas fritas, biscoitos, bolachas e outra farinhas confeccionadas no forno. O ame-kuzu também nutre a energia do estômago e do baço e alivia as dores menstruais e pré-menstruais. Está ainda indicado para dores de cabeça yang, que geralmente se manifestam na parte de trás da cabeça. Bom para baixar a febre a crianças muito pequenas.

AME-KUZU

INGREDIENTES:

  • 1 c. de chá cheia de kuzu
  • 2 c. de chá de malte de cevada
  • 1 caneca de chá de água

PREPARAÇÃO:

  1. Dissolver, mexendo, 1 colher de chá de kuzu em 2 a 3 colheres de sopa de água fria, juntar 1 chávena de água fria e levar ao lume.
  2. Adicionar 1 a 2 colheres de chá de malte de cevada. manter em chama média, mexendo sempre, até ferver, altura em que se diminui a intensidade do fogo, continuando a mexer até se obter um líquido transparente.
  3. Deve beber-se enquanto está quente.

Para mais receitas de remédios caseiros apresento-vos este pequeno livro, na imagem abaixo, Remédios Caseiros, de Francisco Varatojo, é prático e tem imensas receitas. Aconselho vivamente, pela sua saúde! 😉

Corpo de Mulher, Sabedoria de Mulher

Agarrei neste livro há duas semanas, tenho-o aqui à venda na loja, sempre esteve na selecção de livros do IMP e há muito que tinha curiosidade de o folhear, agora, que me aproximo dos 30, achei que estava na hora.

Pensei que fosse caro por ser um livro tão extenso, são dois volumes em letra bem pequenina, para surpresa minha, não é, custa 23€. Comecei a ler e ainda não parei, é apaixonante, pelo menos é-o para mim, que sou mulher. Este é daqueles livros que devia estar na cabeceira de todas as mulheres que querem cuidar e honrar o seu corpo, afinal de contas é o melhor e mais precioso instrumento que alguma vez teremos, verdade?

Corpo de Mulher, Sabedoria de Mulher, de Christiane Northrup, uma médica ginecologista-obstetra e trabalhou na Dartmouth Medical School e no Tufts New England Medical Center antes de co-fundar o centro de saúde Women to Women em Yarmouth, Maine, que se tornou num modelo para as clínicas para mulheres nos EUA. Foi presidente da American Holistic Medical Association e é actualmente Professora Assistente de Ginecologia-Obstetrícia no College of Medicine da Universidade de Vermount.

Através da sua experiência clínica, a Drª Northrup apercebeu-se de como as circunstancias, emoções e comportamentos negativos se manifestam muitas vezes no nosso corpo sob a forma de doenças e dores. Neste livro, apresenta-nos uma perspectiva holística da saúde das mulheres e analisa de forma exaustiva todas as áreas do corpo feminino, explicando a forma como podem ser afectadas pelo estado emocional e espiritual da mulher, os problemas potenciais que podem originar e os tratamentos possíveis.

Corpo de Mulher, Sabedoria de Mulher demonstra que, quando as mulheres alteram os comportamentos e circunstâncias das suas vidas que lhes provocam problemas de saúde, curam-se mais rapidamente, mais completamente e com muito menos necessidade de intervenção médica.

Christiane Northrup fornece-nos também informações vitais sobre as melhores técnicas da medicina ocidental e das terapias alternativas incorporando-as num todo que se complementa.”

Energia ki – O Que É?

“Um dos princípios fulcrais da filosofia e medicina orientais assenta num conceito basilar denominado “ki” no Japão, “chi” na China ou “prana” na Índia.

Os orientais consideram que tudo o que existe possui uma qualidade invisível e subtil que está na origem da criação da matéria: ki. Nos idiomas ocidentais, este conceito é geralmente traduzido por energia ou energia electromagnética. No entanto, o ki não é efectivamente energia, na acepção comum da palavra, nem corresponde às kilocalorias de Newton. Consiste, isso sim, numa qualidade invisível que está muito próxima da nossa percepção sensorial. Ki é a sensação que temos quando estamos próximos de uma cascata imponente que nos revigora; quando nos encontramos junto de uma montanha que nos inspira a procurar o melhor que existe em nós; quando estamos na presença de uma pessoa com um carisma especial ou perto de alguém que nos estimule ou nos intimide.

O ki não é facilmente observado (apesar de isso ser possível e de existirem pessoas que o fazem naturalmente), mas todos podemos sentir esta energia fluir quando estamos motivados, inspirados, apaixonados, quando nos sentimos impelidos a ultrapassar os nossos limites, quando a nossa vida decorre sem estagnações ou preocupações.

Sentimo-la mais facilmente quando estamos em contacto com a Natureza ou quando nos encontramos em ambientes especialmente carregados desta energia.

O ki é muitas vezes, e creio que de forma apropriada, apelidado de “sopro da vida” e a forma como esta energia flui define grandemente a qualidade de vida e a saúde de todos os fenómenos, incluindo os seres humanos. Para os orientais, a saúde é o reflexo de um fluxo adequado, saudável e livre de estagnações de energia ki, sendo que este princípio se aplica tanto aos seres vivos, como à vida inorgânica ou aos espaços físicos criados pelo homem.

Nos seres vivos, animais ou vegetais, um fluxo apropriado de ki resulta em vida, poder, brilho, sexualidade, magnificência, saúde. Por outro lado, as estagnações ou o excesso de ki podem ter como consequência a doença, falta de vitalidade, indolência, bloqueios e imensos outros aspectos, em geral considerados negativos.”

EXERCÍCIO

Se deseja sentir esta energia, experimente fazer o seguinte exercício:

1. Estique os braços e vire uma mão para cima e outra para baixo. Feche as mãos de forma que a ponta dos dedos bata na zona carnuda da base da mão. Repita este movimento três vezes à medida que inspira e expira (expire quando fechar a mão).

2. Inverta agora a orientação das palmas das mãos (a que estava virada para cima, fica virada para baixo e vice-versa) e repita o exercício mais três vezes.

3./4. De seguida, coloque as palmas das mãos frente a frente e, lentamente aproxime-as e afaste-as até sentir uma “bola” de energia no espaço entre elas. O formigueiro, o calor ou qualquer outra sensação que tenha é ki. É esta energia vital de que tenho falado até agora.

Se não conseguiu sentir nada, não se preocupe e volte a repetir o exercício mais tarde. Apesar de a maioria das pessoas conseguir ter percepção do ki a primeira vez que realiza este exercício, outras, por variadíssimas razões, podem ter que o repetir algumas vezes.”

Excerto tirado do livro “Mente Sã Corpo São” de Francisco Varatojo

Renascer das Cinzas

Este fim de semana foi realmente revigorante, acordei cedo, arrumei coisas, pintei móveis, li, escrevi, ouvi música, vi um filme, fui à biblioteca, enfim… produtivo! Adoro quando me ponho em acção e coisas boas acontecem.

Na minha ida à Biblioteca para ir buscar um DVD dei de caras com um livro que me chamou a atenção pelo titulo… Renascer das Cinzas, como os tempos difíceis nos ajudam a crescer, de Elisabete Lesser, continha ainda na capa uma citação da Oprah Winfrey, o que me fez torcer o nariz… hummm, mais um daqueles best-sellers pensei… Mas a curiosidade manteve-se e de qualquer das formas é um livro de Biblioteca, levo, folheio, se achar interessante óptimo, se não, tudo bem na mesma, é só devolvê-lo no dia seguinte.

No caminho para casa abri o livro, na primeira página encontrei esta frase que encaixou perfeitamente na forma como me sinto nos dias de hoje… não conseguiria descrevê-lo melhor…

“E chegou a altura em que o risco de permanecer fechado em botão se revelou mais doloroso do que o risco de desabrochar e florir.”

Anais Nin

Já valeu a pena ter pegado no livro… ainda estou no principio, mas estou a gostar de ler as histórias que ela tem para contar, também tem um capítulo no final, onde ensina exercícios de meditação, bastante útil.

E digo, ainda bem que a curiosidade foi mais forte que o preconceito!

Em Leiria.. com Optimismo!

Cá em Leiria há um beco que é de passagem obrigatória a quem me vem visitar… não saem de Leiria sem uma foto no Optimismo, isso é certo!

Hoje deixo umas dicas tiradas de um dos livro do inspirador Francisco Varatojo, O Pequeno Livro da Saúde Natural (6.60€):

  • Antes de comer reflicta sobre o esforço despendido por todas as pessoas que tornaram possível a existência dos alimentos que vai ingerir.
  • Pelo menos uma vez por dia, reúna toda a família para comerem juntos; comer em conjunto com os entes queridos cria união familiar.
  • Ria todos os dias, aprecie a maravilha e o às vezes paradoxo que é a vida.

PS.: Hoje não vejo o Sol… mas sei que ele está lá! 😉

Até Já! ♥

O meu livro de cabeceira…

Agora, todas as noites, agarro no meu livro de cabeceira, O Mente Sã Corpo São, é de um tal de Francisco Varatojo das macrobióticas! Disse-me a minha vizinha, que já foi lá ao consultório em Lisboa, e gostou muito, parece ser muito boa pessoa, ouço dizer maravilhas do senhor, bom, continuando, então sublinho no livro aquilo que sei me pode ajudar a melhorar a minha qualidade de vida. Na realidade, são as pequenas escolhas, que somadas, fazem toda a diferença. Por exemplo, acontece-me muitas vezes sentir-me ansiosa e apercebo-me, passado um bom bocado, de que não estou a respirar como deve de ser… tenho que me relembrar, várias vezes ao dia, de respirar mais profundamente, então, ontem sublinhei esta:

“Ki e Respiração.

(…) Por exemplo, um maior foco na inspiração faz a energia ki subir e sentirmo-nos mais criativos, ligeiros. Uma expiração mais longa reforça a vitalidade e a resistência, o controlo e a disciplina.

De uma forma geral, a nossa respiração deve dar um pouco mais de ênfase à expiração e ser mais centrada na zona abdominal.

Exercício

Sente-se direito  sem ficar tenso e sem se encostar às costas da cadeira.

Coloque as mãos no regaço: a mão esquerda sobre a direita.

Inspire e expanda a zona abdominal, expire e contraia-a. (De início terá provavelmente dificuldade, uma vez que a maioria das pessoas respira ao contrário.)

Faça o exercício lentamente, com uma expiração seis a sete vezes mais longa do que a inspiração (pode contar, o que também o ajudará a concentrar-se no exercício), durante alguns minutos.

Esta é uma prática excelente para realizar todos os dias, particularmente eficaz para aumentar a vitalidade e confiança, melhorar a digestão e as funções respiratórias.”